Buscar
  • Nicolly Field

Rússia e Ucrânia em conflito: Como fica o Comércio Exterior Brasileiro?



Hoje, em todo lugar se fala sobre a guerra entre a Rússia e a Ucrânia, a invasão russa que aconteceu no dia 24 de fevereiro de 2022 no território ucraniano, com a justificativa de desmilitarizar a Ucrânia. Porém, a realidade é que a tensão existente entre ambos não é recente. Você sabia que o território ucraniano fez parte do antigo Império Russo e também, se tornou uma das repúblicas da União Soviética? Foi somente após o fim da União, em 1994, que a Ucrânia atingiu sua independência democrática.


Contudo, em 2014, após a deposição do presidente ucraniano pró-Rússia, os russos anexaram a Crimeia ao seu território - sendo esta, anteriormente, parte do território ucraniano - o que intensificou o conflito na fronteira, deixando mais de 14 mil mortos até então, de acordo com a Warren Magazine.


  • Muito se fala sobre a OTAN, onde ela está inserida nesse contexto?


A OTAN - Organização do Tratado do Atlântico Norte - foi criada em 1949, no contexto da Guerra Fria contra a “ameaça soviética”, por parte dos países da Europa Ocidental, Estados Unidos da América e Canadá. Entretanto, após a dissolução da União Soviética em 1991, alguns países que pertenciam ao grupo também passaram a fazer parte da Organização. A Ucrânia, neste cenário, busca fazer parte do grupo há um tempo, mas seu desejo é vetado pelos russos, que acreditam que sua entrada intensificaria os conflitos que já existiam na fronteira entre ambos, facilitando a entrada de armamentos.


Segundo a BBC News, os Estados Unidos e seus aliados da OTAN, recusam-se a aceitar esse posicionamento russo, com a justificativa de que a Ucrânia é uma nação soberana e logo, pode decidir com quem quer se aliar. Em retorno a isso, Putin, presidente da Rússia, diz que a OTAN está cercando seu país e quer que cesse suas atividades no Leste Europeu. Em conflitos anteriores, como na anexação da Crimeia ao território Russo, a OTAN não interveio, mas enviou tropas para países do leste Europeu pela primeira vez. No conflito atual, não há intenção de enviar tropas para dar suporte à Ucrânia, mas alguns países membros da organização enviaram armamentos.


  • E agora, qual o Impacto disso na Economia Mundial?


Pensando em um panorama mundial, segundo o Infomoney, o presidente norte-americano, Joe Biden, cortou a Rússia do financiamento ocidental, e outros países europeus também impuseram sanções sobre o país. Contudo, mesmo com esses acontecimentos, a Rússia tem potencial para suportar essas medidas, principalmente considerando que ela é a principal fornecedora de gás natural e petróleo para a União Europeia. É um cenário em que alguns países europeus precisam analisar o que é estrategicamente melhor.


Um dos grandes impactos dessa situação, é o crescimento do preço desses produtos. Não foi à toa que o barril de petróleo chegou a valer US$ 140, subindo 64% em 2022, o maior valor desde 2008, de acordo com o Conexos. Em 24 de fevereiro, quando a guerra entre as nações se iniciou, o barril de petróleo custava US$ 96,84, desde então, subiu 34,6%, segundo o Poder 360.


Ademais, a Warren Magazine destaca que commodities agrícolas terão seus valores em crescimento também, sobretudo, o preço do trigo, já que a Rússia é a maior exportadora desse produto e a Ucrânia está entre as cinco maiores, sendo esta, também, a quarta maior exportadora de milho mundial. Por fim, é importante frisar que o valor da taxa de câmbio também se elevará, uma vez que nos momentos pré-guerra, o dólar estava em declínio, mas já chegou a valer R$5,16 novamente, elevando 3,23%, de acordo com o Canal Tech. Caso tenha interesse em entender mais sobre as variações gerais do dólar, não deixe de conferir nosso artigo clicando aqui.



  • E isso tudo vai impactar o comércio exterior brasileiro?


Já é notório o aumento do valor de combustível no Brasil que, de acordo com a Agência Brasil, elevou o preço médio da gasolina vendida aos distribuidores para R$3,86 por litro, do gás para R$4,48 por litro, e do diesel para R$4,51 por litro. Entretanto, para além disso, como destacado pela Conexos, a Rússia é a 35ª maior compradora do comércio exterior brasileiro, enquanto de 100 categorias de produtos importados pelo Brasil, apenas 8 vêm da Rússia.


Dentro desse viés, por mais que pareça um valor baixo de importação, a situação é alarmante, considerando que hoje, o Brasil importa 85% dos fertilizantes utilizados no setor de agricultura, e 23% disso é proveniente da Rússia. Este é um cenário em que o custo da importação será elevado e dificultado, o que pode aumentar o valor dos alimentos brasileiros, e consequentemente, ampliar o mapa da fome brasileiro.


  • Então, será que vale a pena investir em exportar nesse contexto?


Segundo o Uol Economia, as exportações brasileiras podem ser impactadas negativamente, por um lado, pois a Rússia importa uma quantidade considerável de carne e soja brasileiros,

então, uma redução dessa demanda é capaz de afetar alguns negócios desses setores. Indo além, o aumento do preço de trigo e milho pode aumentar custos de produtores de aves e suínos no território brasileiro.


Contudo, mesmo dentro desse cenário, primeiramente é válido destacar que o Brasil não costuma aderir a sanções impostas por outras nações. Desse modo, as sanções implementadas pelo ocidente contra a Rússia, não deverão gerar impacto direto nas exportações, pois o Brasil não deve deixar de exportar para lá. Ademais, o momento serve como oportunidade, uma vez que Rússia e Ucrânia também são exportadores de produtos que o Brasil comercializa, como carnes e grãos, e assim, será possível aproveitar essa demanda por parte dos importadores desses países.


  • Como a XPORT Jr. Pode ajudar sua Empresa?


Está interessado em internacionalizar sua marca, mas sente um receio por conta desse cenário de incertezas? Deixe que a XPORT Jr. te ajude! Dentro deste contexto que representa o comércio exterior hoje, uma consultoria especializada irá auxiliar a sua empresa a entender a melhor forma de exportar, onde é o destino mais viável e lucrativo, além de como reduzir os custos envolvidos na internacionalização do seu produto. A XPORT Jr. é uma empresa júnior que oferece consultoria de excelência sobre comércio exterior há mais de 10 anos e pode te ajudar a entrar no mercado internacional, através dos nossos serviços. Ficou interessado? Entre em contato conosco clicando aqui para entender como podemos contribuir para o crescimento da sua empresa.



33 visualizações0 comentário