Buscar
  • Eduardo Mendonça

No Fio da meada: indústria têxtil, uma grande oportunidade!


A indústria têxtil é de fato uma das atividades econômicas que detém maior participação no comércio internacional. Este setor explora a produção e o uso de tecidos que podem ser transformados não apenas em produção de vestuário, mas também de tapetes, roupas de mesa e cama, toalhas, cortinas, e dentre outros diversos produtos. Pode-se dizer que ainda que não percebamos ou não entendamos sua dimensão, este ramo industrial está bastante presente na vida de todos. Ao longo deste artigo, falaremos um pouco sobre o cenário atual da indústria têxtil e como lidar com o mesmo.


Como Surgiu A Indústria Têxtil?


Os primórdios deste setor remontam a tempos antigos. Na antiguidade, o homem já detinha conhecimento sobre o poder da lã, do algodão, da seda e de outros tecidos. Mas este tipo de produção só alcançou um patamar tecnológico de larga escala no século XVIII com a Revolução Industrial, em que a indústria têxtil foi um dos principais “carros-chefes” da economia global. Inicialmente, a mesma havia se concentrado em países europeus como Inglaterra, Alemanha e França. Entretanto, logo se espalhou pelo resto do globo, tendo nos últimos anos, outros países como a China, índia e EUA se tornado importantes vetores da produção têxtil.


A Importância Global e Nacional


Estamos falando sobre uma indústria extremamente complexa. A mesma não é contemplada apenas pelas grandes marcas, mas abrange até mesmo pequenas empresas familiares e comunitárias. Conforme o site Global Fashion Agenda, o setor emprega cerca de 430 milhões de pessoas em todo o planeta, incluindo trabalhadores formais e informais. É um mercado extremamente amplo, aberto à concorrência e extremamente lucrativo, rendendo bilhões de dólares no mundo inteiro em exportações.

A indústria têxtil também possui grande importância no Brasil. Através de dados da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (ABIT), em 2019, esta atividade teve um faturamento de 185,7 bilhões de reais. Além disso, teria empregado mais de oito milhões de trabalhadores. E mesmo com a pandemia, a indústria têxtil vem resistindo bem em nosso país (falaremos mais sobre isto nos próximos parágrafos), inclusive havendo projeções de crescimento de 8,3%, segundo o Valor Econômico.


Os Efeitos da Pandemia Sobre O Setor


Entretanto, com a pandemia de covid 19, 2020 foi um ano complicado para a indústria têxtil. Com as necessárias medidas de lockdown, houve uma redução da produção dos bens relacionados a esta indústria, e, portanto, uma redução do faturamento. Isto culminou em um aumento no desemprego do setor. Isto impactou não apenas o resto do mundo, mas também o Brasil em esferas nacional e local, principalmente no início da pandemia. Como foi explicado antes, o setor até reagiu bem em nosso país, mas não completamente. Percebe-se então que o cenário da indústria têxtil apresenta alguns reveses, o que significa que investir neste setor apresenta um alto risco.


As transações comerciais brasileiras com o resto do mundo também foram bastante afetadas. Através de dados do Comexstat, foi possível observar uma redução de cerca de um bilhão de dólares em relação às importações neste setor. Apesar disto, houve uma valorização das exportações brasileiras, mas isto não se deve necessariamente a um crescimento produtivo, mas principalmente à desvalorização do real em relação ao Dólar. Realmente, pode-se dizer que o ambiente econômico baixa no Real favorece a exportação de bens para o exterior. Ainda assim, devido à manutenção da pandemia e a certas instabilidades envolvendo a politica externa brasileira, o planejamento de exportações deve ser feito com inteligência para não se ter prejuízo.


A Inovação Seria Um Possível Caminho?


Com os efeitos da pandemia, faz-se necessário pensar em maneiras inovadoras para driblar este problema. Então, é importante para o exportador estar atento em relação às novas tendências do mercado. Marcas que exploram negativamente o meio-ambiente podem sofrer boicotes no mercado internacional. Por outro lado, produtos mais sustentáveis e até mesmo reciclados (marcas como Real Madrid e Adidas já o fizeram) podem atrair a atenção de consumidores especialmente de países mais desenvolvidos, sobretudo do público jovem.


E Aquilo Que Já Deu Certo?


Tendências mais tradicionais do mercado nacional como a moda de praia também são uma boa possibilidade para exportação. Inclusive, em nosso blog, temos um artigo sobre o assunto: “Como a Moda Praia Brasileira Conquistou o Mundo?” de nossa membro Letícia Martins. Neste artigo, é mostrado que o Brasil se tornou uma grande referência mundial nesse setor, o que significa uma maior facilidade para vender peças desse tipo. Afinal,

mercados consolidados geralmente são menos propensos a riscos. Esta lógica é valida tanto para a moda praia, como para outros estilos de moda nacionais já reconhecidos no exterior.


Muito Mais Do Que Inovar, Mas Saber Se Adaptar!


Por outro lado, como já foi ressaltado, apenas relações cambiais não são o suficiente para garantir o sucesso da exportação de um bem específico. Ainda que se utilize de tendências inovadoras, pode ocorrer de um produto menos poluente ser ignorado pela sociedade de um país (vide o caso da Gurgel Motores S/A, empresa brasileira conhecida pela

produção de carros elétricos, que faliu em 1996). Somente com um bom estudo de mercado é possível escolher os melhores países para se exportar, eliminado riscos.


Como Podemos Te Ajudar?


O cenário da indústria têxtil foi extremamente impactado pelo novo coronavírus. Logo, levar um produto como este para o exterior exige estudos sobre mercados internacionais e planejamento de exportações. A Xport Jr. é uma empresa júnior especializada nestas áreas, sendo uma possível aliada para aqueles que gostariam de ver sua marca exposta no exterior e auferir lucros ainda maiores. Fornecemos consultoria e reduzimos burocracias, descomplicando suas exportações. Não perca tempo e contate-nos para ter mais sucesso em seus empreendimentos!


43 visualizações0 comentário