Buscar
  • Awa Santos

Chocolate: Desafios na exportação e a necessidade de se tornar mais que um produto símbolo de datas

Atualizado: Mar 13



O chocolate tem se mostrado como um produto extremamente atrativo, sendo responsável por movimentar 60 bilhões de dólares por ano, mundialmente. O Brasil se encontra não apenas como o 3º maior exportador do chocolate, mas também como o 3º maior consumidor do mesmo. Esses dados demonstram que esse produto não é apenas lucrativo e apreciado no mercado interno, mas também no mercado externo.

Apesar de o chocolate ser um gênero alimentício, ele não é um produto categorizado como um bem de consumo essencial e ainda é bastante associado a certas datas comemorativas. Esse seu caráter sazonal, faz com o que o produto atinja picos de vendas na páscoa e também em datas como o dia dos namorados e o natal, por exemplo. Porém, o chocolate vem adquirindo um novo status, identificando-se como uma confort food, não apenas como uma simples sobremesa para ser consumida após as refeições.

Mais do que apenas um simples alimento, o chocolate é um proporcionador de sensações

Essa nova categoria alimentícia reúne alimentos que proporcionam uma sensação de conforto e bem-estar, trazendo também alegria e melhora do humor. No caso específico do chocolate, isso ocorre devido a presença do triptofano e de outras substâncias químicas encontradas na composição do produto.

Além disso, o consumo do chocolate cada vez mais é bem aceito por um maior número de consumidores, seja pelo seu sabor ou devido a pesquisas que apontam seus benefícios à saúde.

Segundo uma pesquisa realizada pela Universidade de Cambridge, o chocolate é um alimento rico em flavonoides, possuindo propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes que trazem benefícios ao coração.

Oportunidades para as empresas que procuram crescimento para além do que é proporcionado no mercado interno de chocolates

Nesse cenário, a exportação do produto se apresenta como uma excelente alternativa para aumentar as vendas da empresa e também para aumentar o seu lucro. O mercado oferece ótimas oportunidades não apenas para as grandes empresas, mas também para as de pequena e de médio porte, conforme o chocolate artesanal vem se tornando mais procurado.

Outro benefício da exportação é a segurança, visando não ser afetado durante períodos de baixas no consumo do produto no Brasil. Pois isso tende a ocorrer durante períodos de crise econômica, quando o produto passa a ser considerado um luxo por grande parte da população.

Assim, exportar pode ser justamente o próximo passo necessário a ser dado na expansão dos negócios da empresa, proporcionando seu crescimento e o status internacional. Porém, no mercado externo, é preciso ter um diferencial competitivo para se destacar entre as diversas opções e para obter reconhecimento.

Desafios do mercado internacional: Agradar um público diferente e obter destaque perante a concorrência

Como dito anteriormente, os chocolates artesanais tem gradativamente conquistado espaço no mercado, porém essa não é a única inovação que chama a atenção do consumidor. Cada vez mais o produto tem se diversificado para atender aos mais diferentes gostos, para agradar diversos paladares e diferentes níveis econômicos. Cabe ressaltar as linhas diet e funcional, que visam justamente atingir o público que está mais preocupado com a saúde, porém se recusa a abrir mão da iguaria.

Outro fator a se atentar na hora de exportar um produto são as leis que especificam a comercialização do mesmo no país em questão e tratam de normas específicas. No Brasil, por exemplo, a Anvisa determina que para o produto ser comercializado deve conter 25% de cacau na sua composição, porém o padrão internacional é de 35%. Nesse contexto, a alfarroba surge como um substituto do cacau, o que pode ser tanto encarado como uma competição a ser superada quanto como uma oportunidade de inovar no produto.

Devido a alfarroba ser um alimento naturalmente doce, o uso de açúcar é dispensado durante o preparo dos seus produtos, além de conter um baixo percentual de gordura. Isso faz com que investir nessa substituição atraia ainda mais o público preocupado com a saúde, além de pessoas alérgicas ao cacau. Porém, essa substituição também pode ser vista como um desafio a ser superado pelos produtores do produto que dependem exclusivamente do cacau. Uma vez que eles antes não competiam diretamente com nenhum produto, pois nenhum era capaz de se apresentar como um substituto eficiente do cacau, até agora pelo menos.

Como assegurar o sucesso do plano de exportação visando diminuir os riscos do empreendimento

Dessa forma, é possível perceber que o mercado do chocolate é um mercado extremamente lucrativo para se investir e que oferece diversas vantagens. Com os picos de vendas em datas comemorativas é possível reaver rapidamente os investimentos iniciais realizados. E com as inovações necessárias e com diferentes combinações, a empresa tem grandes chances de se destacar e ganhar espaço no mercado internacional.

Á vista disso, outro fator que deve ser considerado quando se está pensando em exportar um produto é a necessidade de se ter um conhecimento aprofundado do mercado internacional.

Visando não apenas a diluição dos possíveis riscos, mas também a obtenção do melhor resultado possível desse processo. É necessário, também, contar com a expertise de uma empresa de consultoria especializada, visando proporcionar uma maior comodidade e segurança a todo o projeto.

Se interessou por exportar chocolate ou algum outro tipo de produto, visando ampliar o mercado consumidor e aumentar os lucros da empresa? Clique aqui e entre em contato conosco para agendarmos uma conversa sem nenhum custo. Afinal, um planejamento de exportação bem feito conta sempre com um direcionamento eficiente e personalizado para as suas necessidades.


35 visualizações
contato.xportjr@gmail.com
Rodovia BR 465, Km 7 - ICHS, UFRRJ, Seropédica
CNPJ: 20.994.947/0001-72
  • Facebook
  • Instagram
  • LinkedIn